Sobre “Iguaçuenses de coração”


Para representar Foz, 5 personagens foram escolhidos.

Entre março e novembro deste ano me aventurei em fazer algo diferente em meu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC): um livro-reportagem. Durante esse tempo, pude conhecer melhor um pouco da história de cinco personagens, que vieram de outras cidades e países para morarem em Foz do Iguaçu.

Para a escolha do tema, o principal combustível foi a curiosidade e a diversidade étnica que existem na cidade. Para se ter uma ideia, segundo dados do Censo/IBGE 2000, todos os estados brasileiros, com exceção do Amapá, tinham representantes na cidade.

Entre outros países, a coisa também não é muito diferente. São mais de 70 nacionalidades representadas, com ao todo mais de 10 mil estrangeiros. Confira um breve resumo dos personagens do livro:

O "Homem da faixa"

“Homem da faixa”

Jacob Rodrigues, goiano, 33 anos. Fanático religioso? Nada disso, para ele o pouco importa a religião das pessoas, o que vale mesmo é a fé de cada um. Em Anápolis (GO), ele já quase foi morto por engano e ficou em quatro dias em coma. Para Foz ele trouxe as faixas “poliglotas”. São mais de 10, escritas em diversos idiomas, uma maneira que ele encontrou para se comunicar com os turistas e transmitir a sua mensagem.

Kamal Osman

O empreendedorismo nasceu cedo, na cidade de Assaí (PR)Kamal Osman é um dos empresários mais tradicionais da cidade. Nasceu no pequeno vilarejo de Balooul, no Líbano, onde o comércio ainda funcionava na base da troca. “Para comprar um refrigerante, esperava a galinha botar três ovos para trocar”. Logo aos seis meses, o seu pai Miguel deixou o Líbano, para tentar a vida como vendedor ambulante no Brasil. Por isso, até os 12 anos, o único contato era por meio de fotos, cartas e de uma mesada de 100 dólares. O gosto pelo empreendedorismo nasceu cedo e começou com uma pequena banquinha onde vendia meias.

Bruce Brussolo

Ele sabia desde o começo que a sua voz seria o seu principal instrumento de trabalho.Bruce na verdade é Lorival. O apelido veio de Batman, o Bruce Wayne. Nascido na pequena Alvorada do Sul, ele é o único personagem nascido no Estado. Até hoje, ele apresentou um incontável número de eventos, cerimoniais de casamento, festas de 15 anos, e comerciais. Mas para alcançar o sucesso, teve uma trajetória de muita batalha pela realização de seus sonhos. Primeiro, tentou ser cantor, e não deu muito certo.  Depois foi para o rádio. Nos dois primeiros testes não obteve sucesso, e até ouviu de um dos donos de rádio, que aquele não seria o seu caminho. Aos 16 anos veio a aprovação para uma rádio de Apucarana. Então, aos 16 anos, abandonou a família e os estudos para trabalhar.

Dona Maria

Dona Maria fundou, em 1989, a fundadora da Confeitaria Marias & Maria, um dos pontos de encontro mais tradicionais da cidade. Nascida na pequena Roca Sales (RS), logo aos 5 anos de idade largou a família para cuidar da avó, que passava por problemas respiratórios. “Eu nunca tive infância”. Uma das histórias mais comoventes dessa senhorinha bem-humorada, é sobre o início do sonho de ter a confeitaria.

Após se casar, Dona Maria tinha uma vida humilde e tirava o sustento da venda de salgadinhos. Até que um dia, a filha mais velha, acostumada a frequentar as festinhas dos amigos, fez uma pergunta que cortou o coração de Dona Maria: “Mãe, nós não fazemos aniversário?”.  Mesmo sem condições, ela prometeu fazer uma festinha para a filha. O problema é que até então nunca havia feito um bolo na vida e o resultado da receita não ficou muito bom. Para tampar alguns buracos, muito glacê. Na hora de cortar, o bolo se despedaçou na frente das mães, algumas madames da sociedade. A vergonha e a tristeza foram grandes, mas a verdade é que o bolo estava delicioso.

Após muitos elogios, veio das mães a promessa que de ali em diante todos os bolos seriam feitos por Dona Maria. As encomendas foram crescendo, e em 1989, com a ajuda de três de suas filhas, foi inaugurada a famosa confeitaria.

Irmã Maria

Irmã Maria Carqueija, nasceu na Bahia, e coordena o Lar dos Velhinhos de Foz do Iguaçu, desde a fundação do local, em 1986. Ela é memória viva da cidade, já que por ali já passaram mais de mil idosos, que vieram de todas as partes do Brasil e do Mundo (assim como é a população de Foz). A estrutura do local é conhecida como a segunda maior do Estado, e a melhor em estrutura.

Mais informações também aqui.

Louco? Fanático religioso? Desocupado?

Prega religião. Cristo-centrismo com Cristo no Centro de tudo… ao contrário do que as pessoas pensam. Egoísmo e tal.

Ele já quase foi morto por engano (4 dias em coma)

Faixas estrg. –

10 – Chinês, árabe, inglês, espanhol…

Forma de comunicar com os turistas, já que não fala a linguagem deles.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Sobre “Iguaçuenses de coração”

  1. Bacana Vacy, Parabéns pela iniciativa de buscar historias de algumas pessoas que fazem parte da Historia de Foz do Iguaçu.
    Vou aguardar o resumo 🙂

    um Abraço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s